Radio online

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Ministerio Público é alvo de investigações do proprio Ministerio Público por desvios de dinheiro na UEG

Entre os investigados estão um promotor de Justiça de Anápolis, advogados, servidores públicos e empresários.

Uma operação do Ministério Público de Goiás (MPGO) desencadeada na manhã desta terça-feira (21/2) investiga um desvio de R$ 10 milhões dos cofres da Universidade Estadual de Goiás (UEG) no final de 2010. Atualizado, o valor pode chegar a R$ 25,9 milhões.

Segundo as investigações, no dia 30 de dezembro de 2010 — último dia útil do mandato do então governador Alcides Rodrigues, à época no PP, e último dia antes do recesso bancário daquele ano — teriam sido transferidos R$ 10 milhões da UEG para a Fundação Universitária do Cerrado (à época Funcer, atual Funser).

A Funcer estaria, na época da transferência, sob intervenção determinada por este promotor, que teria atuado com empresários, servidores públicos e advogados para a liberação do dinheiro pela UEG, com o intuito de desvio do montante. O membro do MPGO teria recebido vantagens indevidas consistentes no pagamento de valores e de viagem para a Europa (voos em classe executiva, hospedagem e demais despesas) para atuar em prol dos interesses da organização criminosa.

A Operação Quarto Setor deu cumprimento a mandados de busca e apreensão e de aplicação de medidas cautelares, expedidos pelo Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO). Entre as medidas estão a suspensão do exercício das funções públicas de um promotor de Justiça investigado no caso; sua proibição de frequentar as dependências das Promotorias de Justiça da Comarca de Anápolis e de manter contato com testemunhas.



Foi determinada a colocação de tornozeleira eletrônica em um empresário investigado e sua proibição de deixar o país, com a entrega de seu passaporte. Além disso, foram determinados o sequestro e o bloqueio de bens e de valores dos investigados e de pessoas jurídicas ligadas ao grupo criminoso. (Informações da Assessoria de Comunicação do MPGO)

Nenhum comentário:

Postar um comentário