Radio online

terça-feira, 18 de julho de 2017

Calçados conduz mais de 400 mil tipos de bactérias e devem ser deixados do lado de fora de casa

Existem micro-organismos em todos os lugares e os sapatos não estão livres deles. Isto é fato! A maioria não costuma causar doenças. No entanto, existem aqueles vírus e bactérias que podem acarretar doenças, principalmente, em crianças menores de dois anos. Por esta razão, a enfermeira do Serviço de Controle de Infecções do Hospital Geral do Estado (HGE), Rosângela Cavalcante, alerta que o hábito de tirar os sapatos antes de entrar em casa é recomendado.
Ela salienta que esse gesto deve ser adotado, principalmente, em residências em que vivem bebês, pois eles costumam engatinhar com as mãos no chão e depois levá-las à boca. Isso porque, segundo a enfermeira do Serviço de Controle de Infecções do HGE, é possível encontrar mais de 400 mil tipos de bactérias nos sapatos.
“A maioria delas causa grande desconforto intestinal, vômitos e diarreias. Imagina uma criança que coloca tudo na boca circulando em uma casa que os sapatos não ficam na porta? Um perigo. Por isso, quanto menos sujeira levarmos para dentro de casa, menor a chance de sermos contaminados”, orientou.
A bactéria mais comum encontrada na sola dos sapatos é a Escherichia Coli, que pode causar diarreia, infecção urinária, doença respiratória e até pneumonia. Também é possível encontrar Clostridium difficile, bacilo responsável por doenças gastrointestinais e quantidades relevantes das bactérias responsáveis pelas infecções do sistema urinário, pneumonias e outras doenças dos tecidos moles e das feridas abertas. Já a S. marcescens pode causar conjuntivite, queratite e, em casos mais raros, meningite e endocardite.
Repórter: Neide Brandão

Repórter Fotográfica: Carla Cleto

Nenhum comentário:

Postar um comentário